Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Blues na encruzilhada ou algumas interrogações sobre a PT

por Jorge Ribeiro Mendonça, em 03.11.14

A ALTICE apresentou uma proposta de compra da PT pelo valor de 7,025 mil milhões.

As ações começaram o dia a valorizar, mas a Comissão de Trabalhadores veio a terreiro dizer que não concorda com a venda à ALTICE e que esta venda vai prejudicar a PT. Nas palavras de Francisco Gonçalves ao ExpressoA Altice não é um operador global de telecomunicações, nem acrescenta valor à PT Portugal. Não traz tecnologia, nem know how, nem inovação. Não traz qualidade, não garante o desenvolvimento de futuro, nem os postos de trabalho". 

Veja-se que a ALTICE já é investidora em Portugal neste segmento de mercado, é o maior player em França e tem atividades em vários países.

Hoje de manhã, Nicolau Santos à Antena 1 disse que a aquisição pela ALTICE nos termos em que se prepara para ser feita “será uma catástrofe”. Os argumentos de Nicolau Santos são em suma os de que “a compra da PT pode ser "dramática" para a empresa e trabalhadores, já que ficariam em risco mais de 8 mil postos de trabalho, mas também para a economia portuguesa. Com a reestruturação da operadora, Portugal perde "uma empresa de bandeira" para o investimento no estrangeiro, mas fica também desfalcado em termos de inovação.”

 

Consigo compreender os argumentos e as motivações de ambos. Na verdade, existe um risco grande de que se abra aqui uma chaga social.

Mas não posso deixar de lançar as seguintes interrogações:

- Existe mais algum investidor interessado em comprar a PT?

- Está a ALTICE interessada em aumentar a sua oferta?

- Pode o Estado fazer alguma coisa?

- Se não entrar um novo investidor é possível salvar a PT da insolvência?

A PT está numa encruzilhada ou há um investidor que entra ou a PT como a conhecemos desaparece. Por isso é com alguma estranheza que vejo opiniões muito categóricas a dizer que a compra pela ALTICE será uma catástrofe. É que qualquer cenário alternativo neste momento me parece mais catastrófico. A compra pela ALTICE aparentemente é a que permite apesar de tudo controlar danos e a ALTICE já afirmou que não pretende “desmantelar a empresa”.

Por outro lado, a conversa de manter os centros de decisão em Portugal deixa-me muito (mas mesmo muito) preocupado. Querem que o Estado entre na PT, é isso? Seria caso para dizer de desastre em desastre até à destruição total.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00